Rock and roll e satanismo para a juventude!

| 24 de janeiro de 2016 | 1 Comentário
Cid Alencastro

Mick-Jagger_


O rock and roll já exerceu mais atração para a juventude do que hoje em dia, superado que foi por outros sons superlativamente cacofônicos e aberrantes. Entretanto, é fora de dúvida que ele continua a servir de iniciação no capítulo da ilogicidade, do desvario e mesmo do satanismo para uma parcela não desprezível de jovens. Jovens!? Bem, digamos. As bandas de rock vão envelhecendo e não encontram reposição em número suficiente.

Sobretudo os “ídolos” rockeiros já passaram de todas as idades para o exercício de sua profissão, à qual indevidamente chamam “arte”, mas não encontram substitutos à altura. Caso característico é o de Mick Jagger, vocalista dos Rolling Stones, que já foi preso juntamente com uma de suas namoradas por porte de drogas, e andou pelo Brasil envolvendo-se com atrizes ou modelos, pois moralidade não rima bem com rock.

“os primeiros álbuns dos Stones trazem referências explícitas ao diabo, presente nas capas dos discos e nas letras das músicas”. Agora, com 70 anos, Jagger é ainda o que a propaganda tem de melhor a oferecer nessa matéria. O mais grave, porém, na carreira desse “astro” – como do rock em geral – consistiu na divulgação prática do satanismo em matéria de música e arte.

Uma biografia recente de Mick Jagger, escrita pelo jornalista Philip Norman, trata longamente de seus desvarios em matéria de sexo e drogas. Baseamo-nos na recensão publicada pelo jornal “O Estado de S. Paulo” (20-10-12).

*        *        *

Trata-se de “um superstar arrogante, sovina, narcisista e predador, enfim um Casanova pouco preocupado com suas presas sexuais, aí incluídos mulheres e homens”. O biógrafo fala da “atração sexual do primeiro empresário dos Stones, Andrew Oldham, por Jagger”. Oldham “trabalhou com Mary Quant, a inventora da minissaia”.

Uma das namoradas do vocalista, Marianne Faithfull, “teria muito a dizer, especialmente sobre a adesão de Jagger ao satanismo”. O demônio teve grande papel na vida de Jagger, pois seu biógrafo não só “culpa Satã por todo o mal que perseguiu os amigos de Jagger e os coadjuvantes de seus filmes”, como “reprisa a velha história do cantor de blues Robert Johnson, que teria feito um pacto com o demônio para obter sucesso”.

RockInfluenciado pela obra Mestre e Margarida do russo Mikhail Bulgákov, Jagger compôs a música Sympathy for de Devil (Simpatia pelo diabo). “Em síntese, Bulgákov fala que o grande triunfo de Satã foi o de colocar Pôncio Pilatos no caminho de Jesus, recusando salvá-lo da Cruz. Jagger atualiza o baile organizado pelo diabo, no livro do russo, e fala de algumas celebridades históricas que herdaram o bastão de Pilatos: Hitler é o protagonista da canção de Jagger, mas há lugar para os bolcheviques que mataram a família real […] Jagger queria transpor oMestre e Margarida para as telas. Ele, naturalmente, faria o papel de Satã”.

O vocalista “passou a se interessar muito por satanismo e magia negra, especialmente pela obra do bruxo Aleister Crowley […]. Uma das namoradas de Jagger, a atriz alemã Anita Pallenberg, era bruxa […]. Ele aceitou atuar num filme maldito de Kenneth Anger, Lúcifer Rising (A ascensão de Lúcifer)” […].

Tais são os modelos que certa mídia apresenta para a juventude!

email

Tags: , , , , ,

Categoria: Ateísmo, Loucuras do "mundo moderno", Revolução Cultural, Satanismo

Comentários (1)

Trackback URL | Feed RSS de Comentários

  1. Alan Robert Guiraldino disse:

    Eu costumava a jogar vídeo game à ouvir rock ou metal que é um rock pior. Foi a minha irmã que me levou para o mundo do rock ou metal. Rock e metal são bons, se possível, para despertar o interesse por religião, como foi o meu caso. E é ruim porque mata a alma, leva à lugares sombrios e à pessoas más que não tem nada de ingênuas se são Satânicas.

Deixe seu comentário