Psicose Ambientalista
Cadastre-se

Santos do mês de Dezembro

| 1 de janeiro de 2000 | Comente!

 

1
Santo Elói, Bispo e Confessor
(+ França, 659)
Corria o século VII quando o rei Clotário II, desejoso de possuir um trono de ouro, reuniu grande quantidade desse metal e começou a procurar algum ourives que lhe executasse o serviço. Mas todos os ourives que encontrou, sendo desonestos, lhe diziam que o ouro acumulado não era suficiente. Afinal apareceu Elói, mestre afamado de ourivesaria, e declarou que aquele ouro era suficiente para a confecção do trono. O contrato celebrado, Elói recebeu o ouro e se pôs a trabalhar. Sendo honestíssimo, aproveitou bem o ouro recebido e conseguiu com ele fazer não somente um, mas dois tronos, e os entregou ao rei. Admirado com a honestidade do artista, Clotário o nomeou guardião e administrador do tesouro real. Essas funções foram mantidas por Elói durante o reinado de Dagoberto II, filho de Clotário. Depois de muitos anos de bons serviços ao rei e ao reino, o antigo ourives foi feito bispo de Noyon, revelando-se um grande e zeloso prelado que estendeu suas atividades apostólicas muito além dos limites de sua diocese e até mesmo do reino.
2
Santa Bibiana, Virgem e Mártir
(+ Roma, 363)
Seu pai, Flaviano, antigo prefeito de Roma, e sua mãe, Dafrosa, foram martirizados durante o curto e ímpio reinado de Juliano o Apóstata. Santa Bibiana foi obrigada a passar seis meses num prostíbulo, para que se perdesse, mas com a graça de Deus conservou a fé e a pureza intactas. Depois disso foi chicoteada até à morte.
3
São Francisco Xavier, Confessor
(+ 1552)
Foi um dos primeiros discípulos arregimentados por Santo Inácio de Loyola e estava entre os fundadores da Companhia de Jesus. Pregou na Índia, no Japão e em outras nações do Oriente. Converteu e batizou muitos milhares de pagãos e praticou milagres portentosos. Faleceu aos 46 anos de idade, no momento em que se aproximava das costas da China, que pretendia conquistar para Nosso Senhor Jesus Cristo. É o patrono dos missionários católicos.
4
São João Damasceno, Confessor e Doutor da Igreja
(+ Síria, 749)
Nascido na Síria, gozava de uma situação estável e prestigiosa no mundo, pois era prefeito de Damasco e homem de confiança do califa. Por amor a Jesus Cristo renunciou a tudo, distribuiu aos pobres sua fortuna e ingressou no convento de São Sabas, perto de Jerusalém. Combateu a heresia iconoclasta, que pregava a destruição das imagens religiosas, escrevendo três livros para refutá-la. Escreveu também um tratado famoso, sobre a fé e a ortodoxia dos Padres gregos. É considerado o último dos grandes Padres da Igreja do Oriente. Morreu quase centenário, depois de uma vida cheia de méritos e bons exemplos.
5
São Sabas, Confessor
(+ Palestina, 532)
Pela sua virtude eminente, foi chamado “a pérola do Oriente”. Fundou, perto de Jerusalém, o mosteiro em que dois séculos depois viveria São João Damasceno, comemorado no dia de ontem. É considerado um dos principais organizadores do monaquismo palestino.
7
Santo Ambrósio, Bispo, Confessor e Doutor da Igreja
(+ Milão, 397)
Era funcionário do Império e governava o norte da Itália quando os fiéis da diocese de Milão, inspirados por Deus, o aclamaram seu bispo. Àquela altura, Ambrósio era apenas catecúmeno e ainda não havia recebido o batismo. Mas foram tão claros os sinais de que era a voz de Deus que naquele momento falava pela boca dos populares que, depois de alguma hesitação, Ambrósio aceitou. Foi batizado, ordenado sacerdote e sagrado bispo. Tomando inteiramente a sério as novas responsabilidades, colocou sua imensa cultura e sua invulgar capacidade administrativa ao inteiro serviço da Igreja. Combateu heresias, favoreceu e defendeu a virgindade consagrada a Deus, empenhou-se tenazmente para extirpar os restos de paganismo do Império. Não hesitou em enfrentar o imperador Teodósio, impondo a ele uma penitência pública porque se portara mal. Deixou numerosos escritos de alto valor intelectual, e teve papel eminente na conversão de Santo Agostinho.
6
São Nicolau, Bispo e Confessor
(+ Ásia Menor, 324)
Bispo de Mira, na Ásia Menor, durante a perseguição de Diocleciano foi preso e torturado por ser cristão, mas não chegou a ser martirizado. Participou do Concílio de Nicéia, no qual foi condenada a heresia ariana. Na abertura desse concílio, o imperador Constantino ajoelhou-se diante de São Nicolau e de outros santos varões que haviam padecido na última perseguição, e beijou com respeito suas gloriosas cicatrizes. É um dos santos mais populares da Igreja, tanto no Oriente quanto no Ocidente. Suas relíquias foram transportadas para Bari, no sul da Itália, onde até hoje são objeto de grande veneração.
8
Imaculada Conceição da Santíssima Virgem
Em 1854, atendendo aos anseios mais profundos de toda a Igreja, o Papa Pio IX proclamou como dogma de fé a Imaculada Conceição de Maria. Quase desde o seu nascimento, o Brasil vive sob o manto e o patrocínio de Maria Imaculada. Nossa Pátria, filha e de certa forma obra-prima de Portugal, desde 1646 estava consagrada à Imaculada Conceição, pois naquele ano o Rei D. João IV, reunido com as Cortes gerais do Reino, consagrou Portugal e todos os seus domínios a Nossa Senhora da Conceição. À mesma Padroeira Imaculada — sob o título de Nossa Senhora da Conceição Aparecida — o Brasil se quis devotar desde seus primórdios de nação plenamente emancipada. Em 1904, a Imagem da Aparecida foi solenemente coroada, por mandado do Papa São Pio X, com uma coroa de ouro cravejada de 40 brilhantes que lhe fora oferecida pela Princesa Isabel. E em 1930, atendendo a uma solicitação do Episcopado Brasileiro, o Papa Pio XI declarou Nossa Senhora da Conceição Aparecida Padroeira Principal do Brasil.
9
Santa Leocádia, Virgem e Mártir
(+ Toledo, 304)
Era jovem, bela e de nobre família. Cristã fervorosa, foi presa durante a perseguição de Diocleciano. Confessou com firmeza sua fé em Jesus Cristo, foi torturada atrozmente e sem se quebrantar recebeu a palma do martírio. É padroeira da cidade de Toledo, na Espanha.
10
São Melquíades, Papa e Mártir
(+ Roma, 314)
Foi durante seu breve Pontificado que o imperador Constantino, pondo fim a 250 anos de perseguições, autorizou a livre prática da verdadeira Religião em todo o Império romano. Embora não tenha diretamente derramado o sangue em defesa da Fé, São Melquíades recebe as honras de mártir pelo muito que sofreu em diversas perseguições à Igreja.
11
São Dâmaso I, Papa e Confessor
(+ Roma, 384)
Natural da cidade lusitana de Guimarães, era irmão de Santa Irene. Possuía grande cultura, era arquivista e poeta, e tinha também gosto pela arqueologia. Ordenou a organização dos arquivos da Igreja, conservando versões fiéis e autênticas dos escritos dos primeiros Padres e mandando destruir versões apócrifas e deturpadas, para que no futuro não pudessem ser aproveitadas por hereges. Com a mesma profética intenção, quis que houvesse uma única versão oficial dos Livros Sagrados, e incumbiu seu secretário, São Jerônimo, de fazer uma tradução latina das Escrituras, diretamente dos originais gregos ou hebraicos, daí nascendo a célebre “Vulgata”. Ordenou que fossem feitas escavações e obras de conservação nas catacumbas, abandonadas desde que Constantino dera liberdade à Igreja, em 312. Pessoalmente redigiu, em versos, os epitáfios dos incontáveis mártires que iam sendo localizados nas galerias subterrâneas de Roma. Por influência sua foi retirada do Senado romano a estátua da deusa Vitória, sendo assim eliminado esse vestígio do paganismo oficial. Foi um dos primeiros Papas a definir explicitamente o primado do Papa sobre a Igreja Universal, com uma autoridade que lhe vem de Nosso Senhor Jesus Cristo, e não por delegação dos demais bispos ou de concílios. Apoiou Santo Atanásio em sua luta contra o arianismo e combateu tenazmente essa, como diversas outras heresias do tempo. Em resumo, pode-se dizer que seu Pontificado, que durou 18 anos, foi dos mais fecundos dos primeiros séculos da História da Igreja.
12
Nossa Senhora de Guadalupe,
Padroeira Principal da América Latina 
Em 1531, Nossa Senhora apareceu a um príncipe indígena mexicano, o Beato Juan Diego e deixou a ele um sinal de que era realmente a Mãe de Deus: no manto do vidente apareceu milagrosamente impressa a imagem da Virgem. A partir daí, a evangelização do México, até então lenta e difícil, tornou-se avassaladora, sendo destruídos os últimos resquícios da bárbara superstição dos aztecas, que escravizavam outros povos e sacrificavam seus próprios filhos em rituais sangrentos. O manto de Juan Diego, perfeitamente conservado apesar de se terem passado mais de 450 anos, é ainda hoje venerado no Santuário de Nossa Senhora de Guadalupe, que foi declarada Padroeira de toda a América, em 1945, pelo Papa Pio XII. Nesse santuário, o Papa João Paulo II consagrou solenemente, em 1979, toda a América Latina a Nossa Senhora de Guadalupe.
13
Santa Luzia, Virgem e Mártir
(+ Sicília, séc. IV)
Vivia em Siracusa, na Sicília, e tinha consagrado a Deus sua virgindade. Por amor a Ele renunciou, em favor dos pobres, a toda a sua fortuna, que não era pequena. Chamada pelo prefeito de Siracusa, confessou a crença em Jesus Cristo e foi por isso decapitada. A devoção a Santa Luzia é muito antiga e se generalizou por toda a Igreja. Há em Roma pelo menos vinte igrejas consagradas a ela. É invocada como protetora especial contra as doenças dos olhos.
 14
São João da Cruz, Confessor e Doutor da Igreja
(+ Ubeda, Espanha, 1591)
Colaborador de Santa Teresa d’Ávila na reforma da Ordem carmelita e grande mestre da Mística. Dele diz o Martirológio Romano-Monástico: “seu zelo e o sucesso de seus esforços causaram-lhe provações humilhantes, que lhe ensinaram a subir, dentro da ‘noite escura’, até à experiência mística do ‘nada’ do homem diante da Majestade Divina”.
15
São Mesmino, Confessor
(+ França, séc. VI)
Fundou o mosteiro de Micy, perto de Orléans, numa propriedade que o rei Clóvis lhe dera. Foi o primeiro abade desse mosteiro e teve como discípulos São Calásio e Santo Avito.
16
Santa Adelaide, Imperatriz e Viúva
(+ Sehl, Alemanha, 999)
Filha do rei da Borgonha, casou em segundas núpcias com Oto I, rei da Germânia e primeiro imperador do Sacro Império Romano-Alemão. Foi regente do Império durante a menoridade de seu filho Oto II e, mais tarde, durante a menoridade de seu neto Oto III. Amiga e dirigida espiritual de Santo Odilon, abade de Cluny, colaborou ativamente com ele na expansão da reforma cluniacense pelo mundo germânico.
17
Santa Olímpia, Viúva
(+ Bitínia, Ásia Menor, 408)
Pertencia à mais alta nobreza bizantina e casou ainda muito jovem com o prefeito de Constantinopla. Enviuvando aos 20 anos de idade, não quis contrair novo casamento, mas resolveu consagrar-se inteiramente a Deus, e utilizou sua imensa riqueza na fundação de um hospital e um orfanato, servidos por religiosas das quais ela era superiora. Quando São João Crisóstomo, seu diretor espiritual, foi injustamente expulso do Patriarcado de Constantinopla, Santa Olímpia continuou fiel a ele e se recusou a reconhecer o intruso irregularmente nomeado para substituí-lo como patriarca. Foi por isso perseguida e teve sua comunidade dispersada. Partiu para o exílio, onde morreu ainda jovem.
18
São Gaciano, Bispo e Confessor
(+ séc. IV)
Pregou o Evangelho na Gália e foi o primeiro bispo de Tours. Muitos anos depois, São Martinho de Tours, seu sucessor na mesma diocese, recebeu de Deus a revelação do local exato em que fora sepultado São Gaciano, e passou a venerá-lo convenientemente.
 19
Beato Urbano V, Papa e Confessor
(+ Avignon, 1370)Antes de ser Papa foi monge beneditino e abade de Saint-Germain de Auxerre e de Saint-Victor de Marselha. Subiu ao sólio pontifício em 1362 e se esforçou para fazer retornar a Sé Apostólica a Roma, mas não foi bem sucedido e precisou regressar a Avignon, e ali morreu meses depois.
20
São Domingos de Silos, Confessor
(+ Castela 1073)
Nasceu no reino de Navarra, onde ingressou na Ordem beneditina, mas precisou transferir-se para o reino de Castela porque injustamente perseguido pelas autoridades navarras. Em Castela coube-lhe restaurar a velha abadia de Silos, que se encontrava decadente e moribunda. Não apenas a restaurou física e espiritualmente, mas também do ponto de vista cultural a elevou a um nível muito alto. Trabalhou para a libertação de católicos prisioneiros dos muçulmanos e morreu com fama de santidade eminente. Costuma ser invocado pelas parturientes. Quando uma rainha da Espanha estava para dar à luz, era costume o abade de Silos levar para o Palácio Real o báculo milagroso de São Domingos, e só depois do bom parto o ia buscar de volta.
21
São Pedro Canísio, Confessor e Doutor da Igreja
(+ Friburgo, 1597)No mesmo ano em que no Brasil o Beato José de Anchieta entregava sua alma a Deus, na Suíça outro grande jesuíta dos tempos áureos da Companhia também encerrava sua carreira na Terra: São Pedro Canísio, o homem a quem considerável parte do mundo alemão deve sua fidelidade à Igreja de Roma. Pelos seus escritos e pela sua palavra inflamada, esse filho de Santo Inácio de Loyola conseguiu opor uma barreira sólida aos avanços da heresia luterana. Os católicos alemães e suíços o veneram, a justo título, como o segundo Apóstolo de suas pátrias.
22
Santa Francisca Xavier Cabrini, Virgem
(+ Illinois, 1917)
Nascida na Itália numa época em que milhões de italianos emigravam para outros países, recebeu de Deus a missão de cuidar dos interesses espirituais e materiais dessas famílias católicas que estavam no desamparo, em terras estranhas, de línguas e até de religiões diferentes. Fundou a Congregação das Irmãs Missionárias do Sagrado Coração de Jesus, destinada a dar assistência a esses emigrantes. Incansável, estendeu sua obra a numerosos países e cruzou nada menos que 30 vezes o Oceano Atlântico. Percorreu toda a América e chegou a transpor a cavalo a Cordilheira dos Andes. No Brasil, contraiu febres que não mais a abandonaram. Faleceu aos 67 anos, deixando fundadas exatamente 67 casas de sua congregação. Foi nos Estados Unidos, onde com o entusiasmo de uma jovem prosseguia incansavelmente seu trabalho, que Deus a chamou a Si.
23
São João Câncio, Confessor
(+ Cracóvia, 1473)
Sacerdote polonês, professor de Filosofia e Teologia na Universidade de Cracóvia, foi preceptor de príncipes da Casa real polonesa. Faleceu aos 83 anos de idade, depois de se ter santificado na prática virtuosa do estudo e do ensino, assim como no exercício das funções de vigário numa paróquia. Foi canonizado em 1767.
24
São Charbel Makhlouf, Confessor

(+ Líbano, 1898)
Sacerdote católico de rito maronita, passou a maior parte da vida como monge contemplativo e solitário, praticando jejuns e penitências, em contínua oração. Recebeu de Deus o dom de fazer milagres. Sua vida maravilhosa nada fica a dever às dos antigos monges do deserto da fase áurea do monaquismo oriental.
25
Natal de Nosso Senhor Jesus Cristo
No Natal de 1953, comentando num artigo a célebre frase de São João “A Luz brilhou nas trevas” (1, 5), o Prof. Plinio Corrêa de Oliveira assim escreveu: “Foi com estas palavras que o Discípulo amado anunciou, para seu tempo e para os séculos vindouros, o grande acontecimento que celebramos neste mês. Fórmula sintética, sem dúvida, mas que exprime o conteúdo inexaurivelmente rico, do grande fato: havia trevas por toda a parte, e na obscuridade dessas trevas se acendeu a Luz. Qual a razão destas metáforas? Por que luz? Por que trevas? Os comentadores são unânimes em afirmar que as trevas que cobriam a terra quando o Salvador nasceu eram a idolatria dos gentios, o ceticismo dos filósofos, a cegueira dos judeus, a dureza dos ricos, a rebeldia e o ócio dos pobres, a crueldade dos soberanos, a ganância dos homens de negócio, a injustiça das leis, a conformação defeituosa do Estado e da sociedade, a sujeição do mundo inteiro à prepotência de Roma. Foi na mais profunda escuridão dessas trevas que Jesus Cristo apareceu como uma luz. Qual a missão da luz? Evidentemente, dissipar as trevas. De fato, aos poucos, foram elas cedendo. E, na ordem das realidades visíveis, a vitória da luz consistiu na instauração da Civilização Cristã que, ao tempo de sua integridade, foi, embora com as falhas inerentes ao que é humano, autêntico Reino de Cristo na terra” (transcrito de “Catolicismo”, dezembro de 1953).

Veja a nossa campanha “O Natal não Morreu!

26
Santo Estevão, Protomártir
(+ Jerusalém, séc. I)
Santo Estêvão foi um dos sete primeiros diáconos de Jerusalém. Pregava admiravelmente e obtinha numerosas conversões para o Cristianismo, razão pela qual incorreu no ódio dos judeus inimigos da Igreja nascente. Preso e condenado como blasfemo, foi apedrejado. Tem a glória de ser o Protomártir, ou seja, o primeiro mártir que derramou seu sangue por amor a Jesus Cristo.
27
São João, Apóstolo e Evangelista
(+ Éfeso, séc. I)
Filho de Zebedeu e irmão de São Tiago o Maior, foi discípulo de São João Batista antes de ser o “Discípulo amado” de Nosso Senhor. No alto do Calvário, representou a Humanidade quando recebeu como Mãe a Maria Santíssima, e foi a Ela entregue como filho. É autor do quarto Evangelho e de três epístolas canônicas. Viveu, segundo a tradição, na ilha de Patmos, onde lhe foi revelado o Apocalipse, e morreu quase centenário em Éfeso.

Leia a história completa

28
Santos Inocentes, Mártires
Neste dia a Igreja recorda os meninos inocentes de Belém e arredores, de idade inferior a dois anos, os quais, conforme o relato do Evangelho, foram arrancados de suas mães e assassinados cruelmente, por ordem de Herodes. Embora não tivessem uso da razão, morreram por Cristo Jesus, e por isso a Igreja os honra com o título de mártires. Em nossos dias, assistimos a uma nova matança dos inocentes, desta vez — é triste reconhecê-lo — tantas e tantas vezes perpetrada pelas próprias mães desnaturadas! De fato, em que consiste o aborto voluntariamente provocado? Consiste, pura e simplesmente, no assassinato do filho pela própria mãe. O feto, ou seja, o ser humano desde o momento da concepção até o do nascimento, é um ser distinto de sua mãe. Eliminar o embrião, seja em que fase for de seu desenvolvimento, é um assassinato que viola os direitos humanos. Ora, com toda a naturalidade se vai disseminando a prática pecaminosa do aborto, consagrada e protegida pelas legislações! E em alguns casos são legalmente punidos médicos ou enfermeiras católicos que em consciência se recusam a participar desses crimes!
29
São Tomás Becket, Bispo e Mártir
(+ Cantuária, 1170)
Depois de ter desempenhado com brilho a função de chanceler do Reino da Inglaterra, foi indicado pelo rei Henrique III para arcebispo de Cantuária e primaz da Inglaterra. Como até então era leigo, foi ordenado sacerdote e dois dias depois sagrado bispo. Logo se tornaram inevitáveis os conflitos entre aquele rei absolutista, que queria reduzir a Igreja a mero departamento do Estado inglês, e o prelado zeloso dos direitos de Deus e das prerrogativas de sua Igreja. Em conseqüência dos choques cada vez mais violentos, São Tomás precisou fugir para a França, onde esteve exilado por seis anos. Mais tarde retornou a sua diocese, mas recomeçaram os conflitos e o Santo acabou assassinado brutalmente por partidários do rei, dentro de sua própria catedral.
30
Sagrada Família
No domingo dentro da Oitava do Natal ou, se não houver, no dia 30 de dezembro, é celebrada a Festa Jesus, Maria e José — a Sagrada Família. Trata-se de celebração muito oportuna, especialmente nos tempos atuais, em que a instituição tradicional da família — entendida cristãmente, ou seja, estruturada em torno do casamento monogâmico e indissolúvel — padece de grave crise. Com efeito, o divórcio, o aborto e mais recentemente o chamado “casamento homossexual”, vêm entrando livre e impunemente nas legislações de todo o mundo. E há legislações que não somente permitem tais aberrações mas, indo ainda mais longe, prevêem punições para quem, em nome da Lei de Deus, se opuser a elas! Com isso se inverte a ordem natural das coisas e se viola gravemente a justiça. Deus, como Criador, tem o direito de ser obedecido pelos indivíduos, pelas sociedades, pelas nações. Numa época em que tanto se fala, o mais das vezes abusivamente, de direitos humanos, por que ninguém, ou quase ninguém, se lembra dos direitos de Deus?
31
São Silvestre I, Papa e Confessor
(+ Roma, 335)
Foi Papa por 21 anos, desde 314 até sua morte. Coube-lhe a tarefa não pequena de iniciar a organização da vida da Igreja em condições de normalidade às quais ela não estava habituada, depois de 250 anos de clandestinidade. Foi sob São Silvestre que começaram a ser estabelecidas, como locais de culto, as grandes basílicas romanas. Três concílios também foram realizados em seu Pontificado, o de Arles e o de Ancira, em 314, e o de Nicéia, em 325. Nesses concílios, a Santa Igreja defendeu sua integridade contra os erros e desvios suscitados, naqueles tempos, como em todos os séculos — inclusive neste século XX cujo término coincidirá com o do ano 2000 — pelo demônio, na tentativa de atingir a integridade do Corpo Místico de Jesus Cristo. Mas, por força da promessa de seu Divino Fundador, a Igreja é imortal e perdurará até à consumação dos séculos.

 

Compilação do Sr. A. de França Andrade
Para adquirir este e outros livros, visite o site da Livraria Petrus

 

*   *   *

 

Assine a nossa lista de Hagiografia e receba o “santo de cada dia” em seu e-mail

 

*   *   *

 

   * Voltar à seção Cada dia tem seu Santo
* Ver a seção de Vida de Santos, com artigos mais completos
* Ir para a seção de “Doutrina Católica 
Página Principal da Frente Universitária Lepanto
* Faça seu cadastro em nosso site e receba nossas publicações gratuitas!

 

*   *   *

Mande-nos um e-mail com suas sugestões ou perguntas.
Qualquer contribuição será muito bem-vinda!

Frente Universitária Lepanto

email

Tags: ,

Categoria: Cada dia tem seu Santo

Deixe seu comentário