Entrevista com a Frente Universitária Lepanto

Frente Universitária Lepanto

Em defesa dos valores morais e culturais da Civilização Cristã: site e boletim com crescente influência na juventude

“A Frente Universitária Lepanto já está instalada em mais de 10 cidades do Brasil, com um fichário de mais de 12 mil nomes cadastrados em todos os Estados”

Catolicismo — O que motivou a criação desse grupo universitário? Como nasceu?

Frederico Viotti — A educação em nosso País, infelizmente, está profundamente influenciada pela literatura marxista e anticatólica, que reduz o mundo a um conjunto de problemas econômicos e lança calúnias contra a história da Igreja. É uma educação em que a moral é vista como ultrapassada, a Igreja como opressora, e a História é transformada em luta de classes.

Desde que o aluno inicia o curso colegial, até o término do curso superior, recebe um constante bombardeio contra a Santa Igreja. Um bombardeio ideológico, em que não predomina a análise imparcial dos fatos históricos, mas a imposição de uma maneira de ver o mundo oposta ao Cristianismo.

Frente Universitária Lepanto nasceu do desejo de alguns jovens — todos católicos apostólicos romanos — de defender a doutrina católica em seus ambientes, seja nas universidades ou nos colégios por eles freqüentados. Era a forma que nós, estudantes leigos, tínhamos para nos contrapor à avassaladora onda de descristianização da sociedade atual e oferecer um pequeno ato de amor e de reparação em defesa do Corpo Místico de Cristo, que é a Igreja fundada por Nosso Senhor Jesus Cristo.

Catolicismo — Em que ano? Em que circunstâncias?

Frederico Viotti — Começamos nossas atividades em abril de 1998, reunindo um pequeno grupo de quatro universitários em Brasília, que foram os redatores de nosso primeiro boletim “Post-modernidade”. Hoje, graças a Deus, já estamos instalados em mais de 10 cidades do Brasil, com um fichário de mais de 12 mil nomes cadastrados em todos os Estados.

Catolicismo — São muitos os estudantes que visitam o site?

Frederico Viotti — Estamos tendo uma média diária de 1500 visitas em nosso site, além da tiragem de 40.000 exemplares de nosso boletim. Todos os dias, para se ter uma idéia de nosso trabalho, nos chegam em torno de 60 e-mails com perguntas, comentários, cadastros etc.

É consolador constatar o fato de uma pessoa encontrar em nosso site a informação de que precisa, e nos enviar um e-mail de agradecimento.

Catolicismo — São apenas brasileiros que se inscrevem no site?

Frederico Viotti — Há visitantes de vários países, destacando-se Portugal pela proximidade da língua, mas também de quase todas as nações dos continentes americano e europeu.

“Muitos dos jovens visitantes de nosso site começam a sentir um vazio provocado pela educação moderna, voltando então seus olhos à procura de valores pelos quais lutar”

Catolicismo — Qual a tendência ideológica desses jovens?

Frederico Viotti — Tenho a impressão de que muitos deles sentem uma espécie de saudade de algo que não conheceram — ou que conheceram superficialmente —, que é a Civilização Cristã, austera e hierárquica.

Eles são os filhos de um mundo que pregou o igualitarismo contra toda superioridade e a liberdade contra toda autoridade e norma moral. Agora, paradoxalmente, muitos desses jovens começam a sentir um vazio provocado pela educação moderna, voltando então seus olhos à procura de valores pelos quais lutar.

A grande aceitação de nosso site é um indício muito palpável dessa busca empreendida por tantos jovens.

Catolicismo — site oferece que tipo de matéria, de modo especial?

Frederico Viotti — Temos seções de apologética (que é a defesa da Fé católica contra os ataques de seus adversários, especialmente protestantes e socialistas), catecismo, como também apresentamos estudos variados, músicas selecionadas, além de fotos de grandes catedrais e castelos do mundo (que representam resquícios esplêndidos da Cristandade medieval), artigos sobre temas da atualidade, campanhas etc.

Catolicismo — Quais os temas mais procurados no site?

Frederico Viotti — Surpreende muito o interesse que tantos jovens têm hoje por temas da doutrina católica, da apologética, da História da Igreja da época medieval. Esses são assuntos dos mais procurados.

Recentemente, aliás, recebi um e-mail de um estudante que precisava de argumentos para defender a Igreja no que dizia respeito ao Descobrimento do Brasil. O professor dele afirmara, em sala de aula, que a Igreja não acreditava que os índios possuíssem alma! O que é um disparate doutrinário e histórico, que denota um preconceito anticatólico por parte da pessoa encarregada, ao lado dos pais, de transmitir conhecimento a um jovem ainda em formação!

Não sei se é patente a gravidade desse fato, mas, na realidade, esse professor estava gerando uma falsa dúvida contra a Igreja na cabeça dos alunos, os quais não dispõem, muitas vezes, de conhecimentos para contestá-lo.

Catolicismo — Com o tempo, essa dúvida poderia causar a perda da Fé!

Frederico Viotti — Exatamente!

Enviamos-lhe vários documentos da época, reafirmando a posição invariável da Igreja em defesa da evangelização dessas almas que formaram, junto com o negro e o branco, a raiz da nossa nacionalidade.

Essa legenda negra a respeito dos descobrimentos está se espalhando em colégios e faculdades. E, infelizmente, até em certos ambientes eclesiásticos ditos progressistas tais doutrinas encontram eco, criando confusão entre os católicos.

Refutando a falsa argumentação dessa corrente de esquerda católica(que endossa doutrinas socialistas condenadas pela Igreja, sob pretexto de ajudar os mais pobres), costumamos enviar um dos inúmeros pronunciamentos de Papas sobre os descobrimentos, bem como textos de grandes Doutores da Igreja e consagrados autores católicos.

Catolicismo — Como explicar que, estando disponível na Internet uma tão larga gama de assuntos — que normalmente atraem a atenção de jovens, ou servem de “iscas” para prender a atenção deles — o site Lepanto seja tão “visitado”?

Frederico Viotti — Como eu estava dizendo, tais jovens sentem um certo vazio dentro de si e buscam encontrar valores superiores, pelos quais a vida tenha valor.

A modernidade criou um mundo que procura satisfazer as necessidades materiais do homem, mas esqueceu-se de satisfazer as necessidades da alma humana.

Na Internet — como na televisão — há uma imensa lata de lixo cultural e moral, que invade nossos lares e que, em determinado momento, causa saturação.

E é nesse momento que muitos procuram a lufada de ar fresco que encontram no site da Lepanto.

Catolicismo — Por que o nome Lepanto?

Frederico Viotti — Em 1571 ocorreu uma das maiores batalhas navais da História, conhecida como Batalha de Lepanto. Nela, os navios católicos, em muito menor número, venceram a esquadra muçulmana, cujos integrantes desejavam invadir a Europa.

Essa batalha foi marcada por uma intervenção sobrenatural de Nossa Senhora, que, aparecendo durante o fragor da luta, causou terror aos infiéis, ocasionando sua fuga desordenada e conseqüente derrota.

Nesse exato momento, o papa São Pio V, no distante Vaticano, quando rezava a Nossa Senhora na intenção da vitória, teve a revelação do triunfo da esquadra católica.

Sem essa vitória, os muçulmanos poderiam ter conquistado grande parte da Europa.

Catolicismo — E por que o nome “Post-Modernidade” para o boletim? Esse nome não criaria uma confusão com a noção corrente de Pós-modernidade, que é oposta às idéias defendidas pela Lepanto?

Frederico Viotti — A modernidade, ídolo outrora venerado, morreu! Este é o grande acontecimento a ser enfrentado pela nossa geração. Usamos o nome de Post-modernidade em nosso boletim, não porque sejamos favoráveis à era atual de caos e de anarquia, que muitos pensadores chamam de pós-modernidade. Mas exatamente por tratarmos de temas pertinentes e contrários à desordem que vai se estabelecendo no mundo atual, é que levantamos esta bandeira — símbolo de um ideal que aponta para o futuro.

E sobre esses temas queremos discutir com os demais estudantes e convidá-los a enfrentar juntos os dias que amanhecem para nossa geração. De duas, uma: ou faremos a História, ou passaremos à sombra dela!

Frente Universitária Lepanto afirma e proclama a certeza de que a pós-modernidade não será a era do caos e da anarquia, mas, pelo contrário, será o tempo da restauração da Civilização Cristã, sem a qual o mundo soçobrará. É o que foi prometido em Fátima, quando a Santíssima Virgem disse: “Por fim, o meu Imaculado Coração triunfará!” 

Catolicismo — Infelizmente não dispomos de espaço para mais perguntas, mas se o Sr. desejar fazer alguma consideração final, esteja à vontade.

Frederico Viotti — Primeiramente, acho muito importante alertar os pais para que tenham cuidado especial com a educação de seus filhos. Já não basta escolher um bom colégio. É preciso acompanhar o que os professores estão ensinando e confrontar tal ensino com a doutrina e a moral católicas.

Aos estudantes, proponho que estudem a doutrina e a história da Igreja, a fim de enfrentar destemidamente as situações adversas e manter intacta a virtude da Fé.

Quero, finalmente, agradecer a oportunidade desta entrevista e convidar os leitores a visitarem o site da Lepanto. Tenho certeza de que gostarão dele, pois o site tem muita relação com os temas abordados porCatolicismo. O endereço é: http://www.lepanto.com.br

__________

* bacharel em Direito e em Ciência Política pela Universidade de Brasília, responsável pela Frente Universitária Lepanto e pelo boletim “Post-Modernidade”, pesquisador na área da História da Igreja e de apologética católica.